Lua

Lua
Moon!

Música para acompanhar a leitura

Loading...

Visitantes do mundo da Lua!!!!

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Conexões




“Somos feitos da mesma matéria que nossos sonhos"
(William Shakespeare)



Estamos todos essencialmente conectados... com a vida, a morte e tudo o que compreende o espaço entre estes dois instantes. Os universos multissingulares se misturam e se interpenetram como amantes que se deixam levar por seus desejos sublimes.

Não há frente ou verso, em cima ou em baixo, dentro ou fora... há apenas o que foi determinado para o momento, como se tudo pudesse coexistir, espacial e temporalmente. Como se tudo fosse uma coisa só e apenas a percepção do instante fizesse sentido e conferisse significado.

Conexões... mas também cogitei dar o nome a este texto de ‘Francisco’. Apenas porque nestes dias em que estivemos imersos na frequência que vibrou pelas ruas, numa colorida babel que determinou um novo ritmo e que conduziu multidões, percebi que houve de fato conexões em andamento. O maestro que conduziu a orquestra, o encantadoramente louco Papa Francisco, demonstrou que conexão é algo que entende e promove. Ele violou regras, passou por cima de protocolos e foi até inconsequente, mas entrou de peito e coração abertos, como o de Assis e o Xavier. Mas foi demasiadamente humano ao estender as mãos.

 
Francisco deixou claras suas convicções próprias, no que representa e no que acredita, mas também demonstrou respeito às diferenças e diversidades. Soube dizer o que sente e exprimir o que pensa, com firmeza e doçura, bem como fazer valer simplicidade e coerência. Soube ousar e pedir por uma revolução pela qual ansiamos, despertamos e protestamos, mas de forma carinhosa, quase como se fosse um abraço amigo. Faz parte de nossa condição lutar e desbravar; foi assim que alcançamos a orgulhosa supremacia racional da qual costumamos nos orgulhar. Subimos o cume da montanha apenas porque não nos conformamos; porque não nos deixamos afundar na apatia de quem espera pelo vento e teimosamente corremos a abraçar tempestades. Foi em uma destas turbulências que encontramos o outro e então percebemos o quanto estamos conectados e o quão profundamente pertencemos à mesma mandala que circunda a raça.

Porque somos gente, admiramos, aplaudimos, reverenciamos, criticamos, apontamos, colocamos o dedo nas feridas e acolhemos. Somos todos, afinal, farinha do mesmo saco. Somos gente que acerta, que erra, que desvia, que mergulha, que voa, que sonha... Defendemos o que acreditamos: pontos de vistas, perspectivas existenciais, tribos, times, partidos... defendemos até dilemas, dores e controvérsias. E permanecemos conectados aos nossos sonhos, dos quais extraímos matéria prima para novos dias, novas viagens, novas loucuras. Assim caminha a humanidade.

 
Os paradoxos existenciais determinam que, ainda que nossas digitais – tão singulares como estrelas a brilhar no céu – atestem que somos únicos, o fato é que somos iguais perante a eternidade. Nascemos nus e ao pó ou às cinzas voltaremos; corre sangue na veia de cada um que se considera da espécie, embora existam tantas e diferentes culturas e modos de ver o mundo, de crer, de comer, de vazar emoções. Mesmo isso talvez não importe tanto, não somos melhores ou piores que ninguém. Oportunidades, valores e outras condições é que distinguem aqueles que se alimentam de pompa e circunstância dos que vislumbram apenas esperanças. E que fique claro como Francisco que não estamos aqui falando de religiosidade e sim de conectividade, pois religiosos nem sempre creem, filósofos nem sempre pensam, poetas nem sempre amam e muitos que respiram nem sempre estão vivos. Mas... todos seguem o rio.



Luana Tavares (julho/2013)

2 comentários:

  1. É verdade, Luana! Visão mais do que singela...harmônica deste tempo que se faz promessa para esses dias, como você sugestivamente coloca, de colorida babel e de paradoxos existenciais...também de luz e escuridão. Quero, hoje, me conectar com você, com Francisco,... para seguir o rio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Jacqueline!
      Adorei que tenha vindo me visitar aqui na Lua!
      Sim, estamos todos incontestavelmente conectados de alguma forma. Que possamos nos dar as mãos e descer este maravilhoso e infinito rio existencial!
      Beijos da Lua!

      Excluir